A etiqueta do mundo vinícola dita, há mais tempo do que talvez imaginamos, que o vinho branco deve ser servido sempre fresco, enquanto o vinho tinto deve ser consumido a uma temperatura ambiente. Na maior parte dos casos, não há que enganar com estas recomendações, no entanto, já existem algumas excepções às regras.

A temperatura à qual é servido qualquer néctar dos deuses é crucial para assegurar que as melhores qualidades desse vinho venham ao de cima, ou seja, a 18ºC (a temperatura máxima a que um vinho deve ser servido) o aroma ou bouquet está no seu auge, mas se for submetido a uma temperatura inferior a 8ºC, essas mesmas características são praticamente anuladas.

As temperaturas que servem de referência para a apreciação do vinho são um excelente ponto de partida para descobrir aquela que lhe parece mais adequada e, claro, mais saborosa! Para avaliar, de forma correcta, a temperatura de um vinho, o ideal é utilizar sempre um termómetro específico para o efeito e que pode ser adquirido em lojas da especialidade.

De termómetro em punho, saiba como desfrutar ao máximo o seu próximo vinho, seja ele qual for!

Um guia rápido das temperaturas certas Vinho Tinto

  • Jovem: 11º a 14º
  • Encorporado: 15º a 17º
  • Reserva: 16º a 18º
Vinho Branco

  • Leve e doce: 6º a 8º
  • Jovem, meio-seco, leve, doce, encorporado: 7º a 10º
  • Encorporado: 10º a 12º
Vinho Rosé

  • Temperatura ideal: 7º a 10º
Vinho Espumante

  • Doce: 6º a 9º
  • Bruto: 6º a 12º
Vinho do Porto

  • Branco (servido fresco): 6º a 7º
  • Branco: 8º a 12º
  • Tawny: 12º a 16º
  • Vintage: 16º a 18º
Vinho Generoso

  • Madeira: 10º a 14º
  • Moscatel: 12º a 14º